terça-feira, 7 de novembro de 2017

500 anos da Reforma Luterana.


       O monge alemão Martinho Lutero queria apenas realizar um sonho e transformar a Igreja Católica à qual pertencia, mas acabou mudando a história do cristianismo. Ele não concordava com a diretrizes impostos por Roma, na Itália, onde ficava o Papa, chefe da sua Igreja. Lutero elaborou então um elenco com 95 teses que gostaria de ver aplicadas ao catolicismo e afixou o documento na porta do castelo de Wittenberg, na Alemanha, onde era padre, para que os fiéis tomassem conhecimento de suas ideias revolucionárias. Era dia 31 de outubro de 1517, há exatamente 500 anos. Entre outras coisas, Lutero criticava a "venda de indulgências, com os pecadores sendo perdoados desde que fizessem contribuições em dinheiro para a congregação. A igreja Católica não acatou suas sugestões e passou a combatê-las. Nascia ali o embrião de um novo movimento. Hoje, a Igreja inspirada na reforma protestante de Lutero, está espalhada no mundo todo. No Brasil, os adeptos das igrejas evangélicas já somam 32% da população. 

(Revista Isto É 8/11/2017)

terça-feira, 31 de outubro de 2017



Como era o Brasil quando as armas eram vendidas em shoppings e munição nas lojas de ferragem

Antes do Estatuto do Desarmamento taxas de homicídio cresciam de forma alarmante.

Parlamentares tentam mudar a lei para permitir acesso facilitado à compra de armas.

Imagine um país onde qualquer pessoa com mais de 21 anos pudesse andar armada na rua, dentro do carro, nos bares, festas, parques e shoppings centers. Em um passado não muito distante, esse país era o Brasil. Até 2003, aqui era possível, sem muita burocracia, comprar uma pistola ou um revólver em lojas de artigos esportivos, onde as armas ficavam em prateleiras na seção de artigos de caça, ao lado de varas de pesca e anzóis. Grandes magazines, como os hoje finados Mesbla e Sears, ofereciam aos clientes registro grátis e pagamento parcelado em três vezes sem juros. Anúncios de página inteira nas principais revistas e jornais anunciavam promoções na compra de armas, apelando para o já existente sentimento de insegurança da população: “Eu não teria medo se possuísse um legítimo revólver da marca Smith & Wesson”, dizia um deles, com a imagem de uma mulher assustada dentro de casa. Outra propaganda, da empresa brasileira Taurus, dizia “passe as férias com segurança”.




Líder da Catalunha diz que só volta à Espanha se houver “garantias de um processo justo”

Acusado de rebelião, sedição e fraude, Carles Puigdemont está na Bélgica com sete de seus secretários.

O presidente cassado da Generalitat (Governo local catalão), Carles Puigdemont, afirmou que não fugirá da justiça, mas acrescentou que não voltará à Espanha enquanto não houver aquilo que chamou de “algumas garantias”, inexistentes hoje em dia, segundo sua avaliação. “Se tivéssemos uma garantia imediata de que haverá um tratamento justo, se nos garantissem um processo justo, independente e com separação de poderes, voltaríamos imediatamente”, acrescentou. Um dos motivos por ele alegados para justificar o fato de ter ido para Bruxelas foi a decisão do Ministério do Interior de retirar a segurança dos ex-membros de seu Governo.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O calvário final de Janot: cinco dias para salvar sua imagem e apresentar as últimas denúncias

Traído por um antigo colaborador e alvo do fogo cruzado dos seus inimigos, o procurador-geral da República tem uma semana para lutar pela sua herança

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

POLÍTICA

CARTACAPITAL  (CLICK)

“Janot meteu os pés pelas mãos”

por Sergio Lirio — publicado 06/09/2017 13h29
Os erros que podem anular a delação da JBS resultam da chefia inconsequente do procurador-geral, diz o ex-ministro Eugênio Aragão.

Ministro da Justiça no fim do governo Dilma Rousseff, respeitado procurador de carreira, Eugênio Aragão não está entre aqueles que descobriram subitamente os excessos e equívocos da Lava Jato. Crítico contumaz das medidas de exceção encampadas pelo Ministério Público e pela Justiça, Aragão vê confirmadas suas teses no episódio da delação premiada dos executivos da JBS.

POLÍTICA

ELPAÍS (CLICK)

Palocci implode defesa de Lula ao detalhar “pacto de sangue” com Odebrecht

Confissões do ex-ministro sobre propinas em sítio, prédio e apartamento colocam ex-presidente mais perto de nova condenação.


Sem fechar um acordo de delação premiada, o ex-ministro Antônio Palocci fez uma série de confissões nesta quarta-feira para detalhar o que chamou de “pacto de sangue” entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o empresário Emilio Odebrecht. As revelações foram feitas na ação penal em que o ex-ministro é acusado de operar repasses de propina da Odebrecht para a compra de um prédio para o Instituto Lula e para a aquisição de um apartamento usado pelo ex-presidente.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017


ECONOMIA BRASILEIRA 01/09/2017
(CLICK ACIMA)

Brasil cresce pelo segundo trimestre seguido, mas recuperação ainda é lenta

Economia teve alta de 0,2%, puxada pelo desempenho do setor de serviços e pelo consumo das famílias, que reagiu e teve alta após mais de dois anos de recuo